Páginas

domingo, 11 de julho de 2010

Café...

Como é bom ter um vício...uma dependência química!
É bom ter uma válvula de escape!
Quando tudo vai mal, quando estamos cansados, com dor, estressados, quando precisamos enganar nosso cérebro e dizer pra ele que está tudo bem...
Isso não conserta nada e quem sabe usar a droga como um remédio sabe disso também. Mas nosso cérebro não sabe. Ele é burro, apenas segue ordens, apenas reage. Reação. É tudo reação...
Então dizemos ao cérebro que isto resolverá o problema, não se preocupe, não se estresse, não seja assim tão afobado. Tome isso e relaxe, deixa comigo agora...
(...)e então o cérebro para, recebe aquela dose do que quer que seja e pensa "está tudo bem agora, problemas resolvidos"...
Assim a gente ganha tempo, como se descarregasse tudo de uma vez. Os problemas estão ali mas estamos preparados para enfrentá-los agora.

Ter uma droga é como ter uma arma a mais para controlar seus sentimentos, reestruturar sua mente e preparar-se para a guerra, a guerra do dia-a-dia que nunca nos deixará descansar, não de maneira consciente.

O estresse, seja ele causado pelo que for, desestrutura nosso corpo e nossa mente, faz com que não consigamos reagir da forma adequada. Torra nossas células junto com a causa.
O analgésico te livra da dor, não da ferida. Mas a dor da ferida te machuca mais ainda, mais do que a ferida muitas vezes, pois é teu cérebro se machucando, reagindo ao machucado.
Desgasta.
Aqui entra a dependência química. O vício. O bom vício, quando sabemos usá-lo.
A cocaína vai destruir teu cérebro se usares demais. O paracetamol também...

Descubra quais são as suas drogas, as que te fazem bem, depois aprenda a usá-las da melhor e mais comedida maneira possível...

(...)depois de comeaçar a usá-las, tenha uma boa viagem.

Nenhum comentário:

Postar um comentário