Páginas

quarta-feira, 28 de julho de 2010

Gases misteriosos...

Pra mim são. Explico.

Como pode uma reação tão simples do nosso corpo causar tanto constrangimento???

"Joãozinho, se peidar soltar gases outra vez na sala vai ficar de castigo!"

Como assim, cara?

Tá, ninguém é obrigado a cheirar o que sobrou da janta do outro. Ninguém é obrigado a coisa alguma, já dei minha opinião sobre isso aqui antes.
Para os religiosos, o livre arbítrio (e os 10 mandamentos? Bem...), pros cientistas e ateus, bem, a maioria têm inclinações anarquistas por natureza, então...

Eu quero saber o porquê. Entender. Eu não entendo.

Também tenho esse instinto de riso incontrolável em determinadas situações envolvendo o mencionado.
Mas no sentido social, na etiqueta sobre a coisa. Por que essa censura?
É normal, todo mundo faz (eu acho :S), é como respirar, só que com cheiro.

Deveríamos ter um local em casa só pra ele. Um altar!

"Altar do peido dos gases soltos".

Imagine!

Todos conversando e de repente alguém se levanta, vai até uma porta, o altar deve ficar perto da sala para facilitar a continuidade da conversa com todos os envolvidos e, enquanto todos conversam, a pessoa está lá, com o traseiro virado para o Altar despejando seus gases estomacais e intestinais gerados pela fermentação do alimento em seu organismo (ou o que o valha) e participando da conversa.

Ah, e o que dizer das plaquinhas.

É tão ruim estar sozinho numa sala e soltar aquele pum gases que estão nos deixando desconfortáveis, e, sem avisar, alguém entra na sala. Essa pessoa sabe. A gente sabe que ela sabe e ela sabe que a gente sabe disso. A gente sabe disso também.

É horrível.

Vamos criar o altar do peido dos gases soltos, vamos andar com plaquinhas de peidei soltei meus gases.
Vamos liberar essa natureza do nosso corpo! Vamos liberar esse ato, essa palavra que é tão bonita! Vamos peidar!

Peidar! (e ela fica menos escura).
Peidar! (e ela está clarinha).
Peidar! Peidar! Peidar! Ela brilha!!!

Boa viagem.

Nenhum comentário:

Postar um comentário