Páginas

sábado, 3 de julho de 2010

Puta Merda!!!

Eu me sinto num quarto escuro, abafado. Úmido.
O papel de parede, todo rasgado e mofado, por vezes mostra uma parede, toda fodida com tinta de anos atrás e manchas de sangue.
Roupas, sujeira, papelão atirados pelos cantos.
Montes deles.
O foda é que o quarto é todo fechado.
Tem uma saída sim, mas é pelos dutos de ventilação e eu teria que atravessar um ventilador com hélices bem fortes e afiadas.
Não dá.
Então eu começo a notar que a luz, fraca, uma lâmpada que fica ali, imóvel, piscando certas vezes, tendo sua imagem distorcida de vez em quando porque eu fico olhando pra ela sem poder me mexer. Paralisado. Ela parece se mover, pra esquerda e pra direita e quando eu recobro meus sentidos mais uma vez, ela está ali, imóvel, pendurada pelo fio que entrega a corrente elétrica pra ela.
Eu estou sentado com as pernas pra frente, esticadas meio na diagonal na verdade. Os braços atirados juntos as pernas. Pulsos fracos. Estou pálido.
As baratas e os ratos andam pra lá e pra cá, mordiscando-me às vezes, lambendo meus dedos e depositando o que sobrou de seu alimento por todo meu corpo.
Mas o que mais me chama atenção, são essas coisinhas que andam pra lá e pra cá.
São invisíveis, quase, distorcem a imagem das coisas quando passam na frente delas. Parecem feitas de fumaça. São tão rápidas.
Eu queria que ficassem paradas pra que eu pudesse saber o que são...são...são imagens...são coisas que aconteceram...comigo...comigo? São a minha vida...são fragmentos da minha vida, fugindo tão depressa que nem sei se posso alcançá-los! E enfim, se foram...todos eles...
O que fazer agora...eu ainda estou aqui...
Aaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaahhh!!!
O que foi isso?
Olhe só, que bonitinho, tão pequenino...é...é um presente...não qualquer presente...é o meu presente...mas está se levantando, criando perninhas e saindo, olha como fica rápido depressa!
Não! Não! Se foi...
Ouuch!!!
Outro...então...ah sim, é minha vida, meu tempo, meus presentes...estão saindo, um a um, fugindo de mim.
Eu vou pegar um.
Aqui! Hehe...te peguei.
Os calafrios correndo meu corpo, desceram da minha cabeça pela minha espinha e quase se perderam antes de alcançar o braço. Um formigamento estranho, fadiga foda! Mas enfim, levantou-se. Lancei o braço contra ele e o agarrei com força...agora preciso mover o resto do meu corpo.
O movimento afungentou as baratas e os ratos...então, como num passe de mágica, eu estou de pé...agarrando meu presente para o alto! Meu pedaço, minha vida em minhas mãos!!!
Eu hesito...sinto que outro está vindo...esse...esse escapou...transpôs-se por minha mão e fugiu voando...eu não posso prendê-los por muito tempo, preciso pegar esse próximo e fazer algo rápido com ele, ou ele vai fugir mesmo assim, como o outro...tem que ser agora...
Arrrrfff...peguei!!!


É assim que a gente se sente ouvindo o novo trabalho desta banda que promete!!!
Ação Terrorista Socialmente Aceitável é o tipo do Álbum que te faz pensar na música, na letra, na vida...em tudo...
É como se ver de trás pra frente em movimento intenso sem sair do mesmo lugar, prestes a explodir em um conjunto gritante de fúria e dor...revolução!!! Terror!!! Aceitável!!!
É o confronto da alma com a alma, da vida com a vida e, por que não, da morte com a morte de cada um de nós, todos os dias, no trabalho, em casa, no banheiro...

Vá em frente, comece sua ATSA, comece por ti mesmo!!!

ATSA - Zoidz

Compre essa e tenha uma boa viagem...

Nenhum comentário:

Postar um comentário