Páginas

sexta-feira, 27 de janeiro de 2012

À Corte Internacional - Caso Pinheirinhos

O e-mail a seguir foi enviado para Corte Criminal Internacional, um dos setores das nações unidas responsável pela proteção dos direitos humanos.

 Fica aqui o pedido para que esta ação se repita para este e para eventos futuros.

 Ao final do post, algumas fontes de informação. Vale lembrar que esta é uma versão em português que mantém certas falhas de pontuação, diferente da versão em inglês, enviada aos órgãos que foi revisada.

À Unidade de Informação e Evidência

 “Caso Pinheirinho”.

 Desde o dia 22 de janeiro de 2012, a área conhecida como Pinheirinho em São José dos campos/SP, tem sofrido com ações da força da polícia militar de São Paulo. Essas ações se deram pelo motivo de que famílias estariam morando em um terreno particular, invadido por elas, pertencente a uma antiga fabrica chamada antes de “Selecta”, cujo dono é o investidor Naji Nahas.

 Esses moradores são, na verdade, ex-funcionários da antiga “Selecta”, que já viviam ali naquele local por volta de sete anos. Estes, por se tratarem de pessoas pobres e imigrantes de outras regiões do país, não puderam voltar as suas distintas origens devido à quebra da fabrica. Fazendo, assim daquela região, sua moradia permanente.

 Para essa ação militar, que mais parece cenário de guerra civil, foram mobilizados cerca de mil e oitocentos homens do efetivo da Policia Militar de São Paulo. Isso para “remover” perto de nove mil pessoas que na área vivem ou viviam. O que é absurdo, é que esse pessoal carente está sendo marginalizado pela força em atuação e está sendo promovida uma operação quase como uma chacina pelas noites que se passam desde o principio da mesma. Existem relatos de ataques covardes a moradores indefesos, mortes e ate mesmo, ocultação de cadáveres pela força opressora.

 A mídia local ate então, permanece fazendo, o que chamamos de “vista-grossa”, ignorando os depoimentos de pessoas que estão ali “agonizando” por assim dizer. Os policiais opressores impedem que essas famílias retirem seus pertences de suas casas, incluindo seus documentos de identificação. O que deixa a entender que existe mesmo más intenções para com os desabrigados. A estes foram dadas pulseiras de identificação que mais servem para distingui-los dos demais moradores de São José dos Campos.

 A situação do povo de Pinheirinho é critica. Os desalojados que, até a manhã do dia 25 de Janeiro de 2012 estavam alojados em uma igreja da região aos cuidados de ativistas comovidos pela situação, agora encontram-se “encarcerados” em um alojamento público de onde não podem sair sem ser perseguidos, mantidos sem qualquer documentação que possa comprovar a presença e saúde física de todos os envolvidos enquanto esperam a boa vontade do poder público em julgar o claro uso excessivo de força e os desaparecimentos, até então “informais” de alguns dos desalojados.

 A solução parece ser simples e as negociações para aquisição do terreno por parte do governo federal parecia perto de sua conclusão, mas, aparentemente, interesses particulares estão dificultando a resolução pacífica da situação por parte do nosso governo e, por esse motivo, gostaríamos de solicitar suporte ou intervenção internacional ao referente caso descrito, dispondo-nos a quaisquer possibilidades de auxílio que possamos dar ao caso além do que já está sendo feito.

 Humildemente agradecidos e esperançosos.

 PS: Dada a proporção do caso, não temos informações detalhadas e individuais sobre os envolvidos, conforme solicitado para um registro formal de denúncia, mas estamos dispostos a consegui-las se a lei nos proporcionar ferramentas para tal e a corte auxílio na busca.

Source Links:


                  
                  


Contatos para envio de denúncias:

ONU BR - http://www.onu.org.br/conheca-a-onu/fale-conosco/

ICC - http://www.icc-cpi.int/Menus/ICC/Contact


 Costumo ser discreto, mas dessa vez eles passaram dos limites. Estão nos matando sem a mínima desculpa e, se as tivessem, não justificaria ações do tipo ainda assim...

Nenhum comentário:

Postar um comentário