Páginas

terça-feira, 7 de fevereiro de 2012

Condições e merecimentos em Liberdade


 Já ouvi sobre o assunto, de pessoas que considero esclarecidas além do comum, palavras que me magoaram muito.

Das condições para a liberdade:

 Não acredito que exista qualquer sentido em “conquistar” liberdade.

 Liberdade é um direito do ser vivo, humano ou outro qualquer, pertencente a tal desde o momento de seu nascimento até o momento de sua morte. O que digo é que não devo, por natureza e bom senso, “conquistar” o direito de ser livre para fazer as escolhas que quiser ou arcar com essa ou aquela consequência, salvo consequências naturais, como morrer se escolher não comer, por exemplo (e tem gente que diz que não come, fique sempre atento a isso).

 Eu não preciso ajudar alguém para comer uma maçã de uma árvore, não preciso ser bom com alguém para ser saudável e nem preciso pagar para utilizar a criação intelectual de alguém...esse alguém criou a língua que usou pra escrever sozinho? Inventou a câmera que gravou o documentário? Acho que não...então...

 Nós somos consequências uns dos outros e é uma consequência natural a de que, se eu não for bom para o ecossistema ao meu redor, do qual sou parte assim como a parte que prejudiquei, sofrerei as consequências naturais logo. Se eu sujar um único hipotético rio do planeta, terei água suja pra beber, é uma consequência natural. Mas beber ou trabalhar (náuseas), como uma condição de acesso a água potável? Não...isso não deve existir e é ignorância achar que deve. Logicamente, essa é minha opinião...

Do merecimento da liberdade:

 Aqui me refiro a uma afirmação que deve receber muita atenção: “Por ser mais importante para a sociedade, alguém que desenvolve uma tecnologia de energia renovável merece maior acesso a recursos do que alguém que apenas serve café”.
 Qual dos dois eu acho mais importante? Depende...quando eu estou com sono e quero manter-me acordado ou quando ligo meu PC?

 Merecimento e importância são subjetivos, jamais serão um consenso mundial que devesse constituir uma regra de disponibilização de acesso qualquer...mas, só pra dar mais um exemplo, qual dos dois merece mais sangue, cérebro ou polegar da mão hábil?

 Cérebro?

 Ok, talvez você devesse enforcar seu polegar então porque, novidade, o sangue passa da mesma forma pelos dois...

 É simplesmente desumano e não natural acreditar que, qualquer que seja o ser humano mencionado, ele mereça mais viver do que outro.
 Quem estipulou isso? Quem ensinou isso? Deus? Outros homens? Use o SEU CÉREBRO!

ESTÁ ERRADO! DEFINITIVAMENTE ERRADO.

 Não me venha falar que sou livre atualmente e que devo arcar com as consequências de fazer alguma coisa. 

 Liberdade condicional não é liberdade. O conceito de liberdade é bem simples pra mim.

 Não me venha falar de merecimento. Se quiser falar sobre como o macho alfa entre um bando de, sei lá, leões tem direito a mais carne que os demais eu lhe pergunto: ele é mais útil? Ou ele simplesmente impôs sua superioridade na força?

 Não há merecimento ou importância, há exploração e egoísmo.

 Liberdade é liberdade, direito a vida é direito a vida e ambos são naturais e respeitam apenas as leis da natureza, quer saibamos de todas elas ou não. O resto é mera distorção da realidade, quer por uso maldoso da força e do conhecimento, quer por ignorância ou omissão.

Nenhum comentário:

Postar um comentário