Páginas

segunda-feira, 7 de maio de 2012

Comunicado - Hora do lagarto


Sejamos objetivos, eu e meu cérebro reptiliano.

 Tenho reprimido algumas coisas, controlado meu eu de forma incoerente e improdutiva. Filmezinho filho da puta aquele, só caiu a ficha agora...

 Sim, tem um ser demoníaco e primitivo fazendo parte do que eu sou e nossa racionalidade, a minha racionalidade, tenta reprimi-lo.

 Isso não é saudável, cacete!

 Ok, explosões desnecessárias à parte...é hora de realmente se estudar, mas não reprimindo sentimentos e escondendo verdades socialmente constrangedoras, isso é ocultação de provas, ora, eu nunca pensei nisso antes?

 Como entender algo, se a gente fica guiando esse algo? Só podemos entender se deixarmos fluir e estudar a situação acontecendo, assim a gente vê ela "ao seu natural" e pode interpretar a coisa com mais realidade.

 Tem uma série de trauminhas na minha cabeça, tipo, estar comendo leite condensado puro agora, quatro e meia (quase) da manhã deve ter um fundamento, uma fonte, sei lá...ter matado aquela baratinha também...coitada...um ser vivo como qualquer outro, lutando pela sobrevivência...eu fui lá e matei...

 Mas chega de blábláblá. A ideia aqui é o seguinte:

 Eu me interesso pela psique, alma, consciência, inteligência, mentalidade ou a porra do nome que for, humana. Acho que o ser humano é sim diferente da vida normal, tem consciência, quero entender isso e quero me meter numa pesquisa disso, estudando a mim, minhas relações com o meio e aos outros. Passarei pela genética, pela sociologia, pela astrofísica e o que mais me parecer interessante e produtivo nessa busca por auto compreensão.

 Temos um resquício evolutivo primitivo. Até onde/quando dependeremos dele? Até quando/onde o manteremos ali, presente, de forma a nos assegurar que, na hora do aperto, a gente pode matar para sobreviver? O capitalismo aumenta a "necessidade" de suster o cérebro reptiliano em atividade? Porque não venha me dizer que ele vai ficar no meu crânio pra sempre porque eu não tenho mais rabo nem nadadeira (não exatamente), bem, guelras eu não tenho...ou será que tenho algum vestígio...?

 Essa é a coisa, o novo foco, a nova vontade, a nova libertação.

 O lagarto tá lá? Precisa sair e tomar um ar? Ok, deixa que o faça, desde que não bata em alguém, porque aí é liberdade demais, deixa ele quebrar as coisas, deixa ele me dizer "isso tá te incomodando, porra (é, ele é grosseiro), dá um jeito, para de deixar isso de baixo das cobertas".

 Não é como virar um monstro reativo, é mais como deixar as evidências aparecerem, aceitar os sentimentos bons e ruins, como diz o tal filme. Eu entendi que eu não preciso ter vergonha de errar, vergonha de não agradar, porque eu sou eu e é simples assim, ditadura da natureza como dizem uns (eu um dos "uns")...

 Será criado um blog específico pra isso, algo do tipo, diário do lagarto ou coisa parecida, não sei ainda, devo criar nessa próxima hora livre antes de ir pro trabalho.

 "As tarefas atuais, Cristian? Onde vai parar isso tudo? Tu vais nos deixar? Deixar o MZ???"

 M o quê???

 Ah, claro...o movimento...

 Tenho projetos em andamento e vou concluí-los.

 Acima do movimento heisemberg, digo, zeitgeist, tenho amigos que compartilham de ideias humanizadas, uma nova espécie que vem surgindo por aí e com força total nas paradas evolutivas do Darwin...

 Amo humanos e amo esses serzinhos humanos que compartilham da minha vida hoje, uma espécie de família que se escolhe (na real, não sei se a gente escolhe essa também, mas vamos aceitar, por enquanto, que sim, porque é o que parece).

 Então, pra quem realmente sentiu uma pontinha de medo de perder contato, eu não estou fugindo, estarei envolvido com os projetos do grupo, do movimento ou do que quiserem chamar, a diferença é que meu potencial criativo e curioso vai tomar o rumo que tanto queria porque não me sinto mais na obrigação de fazer tudo que me sentia (não que conseguisse fazer tudo, mas que sentia obrigação, sentia).

 Então eu planejarei reuniões, capinarei quando for preciso, criarei textos que queiramos colocar no blog do MZ-SC,  Brasil, no livro do Juliano, na bíblia da igreja católica...precisou de ajuda, to dentro.

 Não vou conseguir ignorar nossas ideias, então eu vou acabar me enterrando por conta própria em tarefas e projetos como faço hoje, eu sei disso, conheço-me...

 Antes de tudo, eu amo vocês e quero estar junto de vocês, fazendo o que gostamos de fazer, tentar salvar o mundo (ou as nossas cabeças).

 Tá, to me enrolando, nem eu to entendendo o que eu escrevi mais.

 Basicamente, a rotina não vai mudar muito, só minha dedicação que vai ter outro foco.

 Sério, eu não quero vocês como os "amigos das antigas", quero vocês como família!!! E se me falar que eu sou novo e que isso é coisa de fase eu deixo o lagartão afiar os dentes com ossos humanos...

 Amo vocês, isso eu posso dizer!

 Bora descobrir o que nós somos e parar de filosofar!

 Abraço à todos os humanos, siris e caracóis que miam!!!

 ...

 Tá gravando ainda? Não...

...aff, manter a postura é um saco né? Ficar pagando de bonzinho, mimimi...sou um humano, porra, os outros têm que entender isso, né?

 Eu sei, eu sei, não to dizendo que não entendem, sou eu quem não estava se entendendo, mas deu, abri o jogo agora....

 É, é, eu sei, eu entendi...sério mesmo...aham! Fica de boa. Tá tudo certo. Eu sou o mesmo cara sim, só que livre pra ser eu mesmo, liberto de mim mesmo.

 Livre das próprias amarras. Enjoy it!

Nenhum comentário:

Postar um comentário